Arrefecimento da pandemia ditará ritmo do PIB em 2021, prevê Fiergs

Entidade projeta crescimento de 3,2% para o Brasil

“Eu espero que não tenhamos novas paralisações”, clamou Gilberto Petry

Após a grave crise da pandemia em 2020, que deverá provocar uma queda de 4% no PIB brasileiro e de 6,8% no gaúcho, a perspectiva é para as atividades econômicas estarem normalizadas no país entre março e abril de 2021. Essa é a expectativa da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Os dados foram revelados nesta terça-feira (8) . Para o próximo ano a projeção é de crescimento de 3,2% para o PIB do Brasil e de 4% para o do Rio Grande do Sul, mas ainda insuficientes para recuperar as perdas.

“O setor industrial puxou o serviço e a recuperação do PIB no país no terceiro trimestre deste ano, a indústria de transformação cresceu 23% e a indústria como um todo, 14%, para o PIB conseguir subir 7,7%. Isso mostra que a indústria de transformação é o setor mais rápido para ajudar na retomada”, avaliou Gilberto Petry, presidente da federação. Para ele, a velocidade da retomada econômica no Brasil dependerá do ritmo da imunização. “Qualquer prognóstico que fizermos será uma tentativa de acharmos que vai acontecer isso ou aquilo. Tudo dependerá da vacinação. E 2021 terá de ser melhor que 2019, pois 2020 é como se não existisse”, ponderou.

O presidente da Fiergs também se mostrou muito preocupado com o avanço recente das contaminações pelo coronavírus. Petry até mesmo fez um apelo para a população. “Já ouvi notícias de festas clandestinas com 300 pessoas sem máscara, de gente indo para a praia, etc. Isso tudo aumenta a possiblidade da transmissão do vírus. Eu me baseio naquilo que ouço e leio e os médicos estão insistindo para que não se tenha aglomeração ou se saia de casa. Eu espero que não tenhamos novas paralisações [na indústria]”, desabafou.

Segundo a Unidade de Estudos Econômicos (UEE) da Fiergs, a queda do PIB mundial chegará a 4,4% em 2020, afetado por uma crise profunda por conta da necessidade de distanciamento social. Esse fato provocou um choque negativo na oferta, pois a produção de bens e serviços teve de ser paralisada, causando um efeito dominó, derrubando a demanda, o preço dos ativos e os investimentos.

A contração do PIB brasileiro foi recorde no primeiro semestre de 2020 (-11%). O terceiro trimestre, porém, mostrou uma forte reação, com mais de 7% de aumento. “É uma retomada em V bem clara. A crise provocou impacto nas atividades industriais entre março e abril, com quase 30% de recuo. Agora, já está 0,2% acima do nível pré-pandemia no Brasil”, explicou o economista-chefe da federação, André Nunes de Nunes, lembrando o fato de o Rio Grande do Sul, que está 0,3% acima do nível anterior ao da pandemia, ter sido prejudicado também pela estiagem, com perdas de 41% na soja e 32% no milho.

Últimas Notícias

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Supremo também definiu que cabe à Justiça Federal do DF julgar os processos contra Lula

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para o Pix Cobrança

Pandemia impulsiona transformações no modelo de negócios do varejo

Pesquisa global da PwC revela uma clara aceitação da sustentabilidade

Brasil formaliza redução das emissões de carbono até 2030

País se comprometeu a eliminar o desmatamento no mesmo período

Relacionados