Balança comercial registra superávit de US$ 3,7 bilhões em novembro

Saldo é 4,7% maior que o registrado no mesmo mês de 2019

Com a antecipação de embarques que ocorreu neste ano, as exportações de soja caíram 70% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2019

A balança comercial registrou, em novembro, o terceiro maior superávit para o mês. O país exportou US$ 3,7 bilhões a mais do que importou, divulgou o Ministério da Economia. Isso representa crescimento de 4,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando o superávit atingiu US$ 3,5 bilhões.

O resultado só perde para novembro de 2016 (superávit de US$ 4,7 bilhões) e de 2018 (superávit de US$ 4 bilhões). No mês passado, o país vendeu US$ 17,5 bilhões para o exterior, com queda de 1,2% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações, no entanto, caíram mais, somando US$ 13,7 bilhões, redução de 2,6% também pela média diária.

Com o resultado do mês passado, a balança comercial acumula superávit de US$ 51,1 bilhões de janeiro a novembro. Esse também é o terceiro melhor resultado da série histórica para o período, perdendo para janeiro a novembro de 2017 (superávit de US$ 61,9 bilhões) e de 2018 (superávit de US$ 51,6 bilhões). No acumulado de 2020, as exportações somam US$ 191,6 bilhões, retração de 6,1% na comparação com o mesmo período de 2019, pela média diária. As importações totalizam US$ 140,5 bilhões, recuo de 13,6% pelo mesmo critério.

A maior parte da alta do saldo em novembro é explicada pelo aumento de 26,9% na média diária de exportações da indústria extrativa, com destaque para o minério de ferro e o petróleo bruto. Essa elevação compensou o recuo de 21,8% na média diária de vendas da agropecuária para o exterior. Com a antecipação de embarques que ocorreu neste ano, as exportações de soja caíram 70% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2019, também pelo critério da média diária.

A indústria de transformação exportou 2,9% a menos em novembro pela média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. Os principais produtos que afetaram a queda foram os combustíveis, com recuo de 35,5%, e aeronaves e componentes, com retração de 44% pela média diária. Do lado das importações, a queda decorreu principalmente do recuo nas compras de petróleo bruto (-63,7%) e de estruturas de ferro e de aço (-49,5%).

Com Agência Brasil

Últimas Notícias

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Supremo também definiu que cabe à Justiça Federal do DF julgar os processos contra Lula

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para o Pix Cobrança

Pandemia impulsiona transformações no modelo de negócios do varejo

Pesquisa global da PwC revela uma clara aceitação da sustentabilidade

Brasil formaliza redução das emissões de carbono até 2030

País se comprometeu a eliminar o desmatamento no mesmo período

Relacionados