Conta de luz ficará mais cara em dezembro

Custo será de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts hora consumidos

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reativou o sistema de bandeira tarifárias e definiu a bandeira vermelha patamar 2 para o mês de dezembro, a mais alta, com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts hora consumidos.

Em maio deste ano, em razão da pandemia de Covid-19, a Aneel havia decidido manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro deste ano. Entretanto, em reunião extraordinária, a diretoria do órgão avaliou que a queda no nível de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas e a retomada do consumo de energia justificavam o aumento.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Segundo a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de apresentar um valor que já está na conta de energia, mas que geralmente passa despercebido.

Últimas Notícias

Presidente e diretores do BC passam a ter mandatos fixos

Decisão é devido à lei que dá autonomia ao Banco Central

Governo destinará até R$ 15 bilhões para relançar BEm e Pronampe

Ministério da Economia aguarda aprovação de projeto que altera LDO

[CLT] Assistente Comercial em Result Mais Consultoria

Ter perfil Hunter e Farmer (captação e atendimento)Experiência com vendas de serviços e produtos, vendas consultivasExcelente ComunicaçãoPacote Office Negociação AvançadaExcelência em Atendimento ao Cliente...

Mercado financeiro prevê inflação em 4,9% neste ano

PIB deve crescer um pouco mais de 3%

Relacionados