No que depender do vinho, ceia será mais salgada

Até novembro, a bebida já aumentou 5,4% – 2,3 pontos percentuais a mais que a média do IPCA

O vinho poderá fechar 2020 com praticamente o dobro da inflação para o período

O grupo de alimentação e bebidas continua pesando no bolso do consumidor brasileiro. Ao anunciar a inflação de novembro, o IBGE diagnosticou mais uma vez que a maior variação (+2,54%) e o maior impacto (0,53 ponto percentual) foram causados por esse segmento, que em outubro tinha subido 1,93%. De acordo com o IBGE, a variação de 15,94% no acumulado de 12 meses para alimentação e bebidas é a maior desde outubro de 2003, quando ficou em 17,46%.

Com isso, o vinho também vem sofrendo as consequências. No acumulado anual, a bebida já aumentou 5,4% no Brasil – 2,3 pontos percentuais a mais que a média do IPCA (veja os principais indicadores por cidade, compilados pelo Cepas & Cifras, na tabela ao final deste post). No que depender da falta de matéria-prima, como garrafas, e aumento de insumos nacionais e importados, o vinho poderá fechar 2020 com praticamente o dobro da inflação para o período. Ou seja, a ceia de Natal – especialmente a bebida – vai ser mais salgada.

No Sul, Porto Alegre continua sendo a cidade mais cara para degustar a bebida de Baco (16,2% de alta no acumulado dos onze meses). Enquanto isso em Curitiba o preço recuou 2,1% no ano. E, se não bastasse isso, no mês passado os valores permanecerem estáveis.

O vinho degustado fora de casa viu o preço cair 3,7% no mês passado e apresenta alta de 7,9% no ano (lembrando que, pela metodologia empregada, esse item é pesquisado apenas na cidade do Rio de Janeiro).

Últimas Notícias

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Supremo também definiu que cabe à Justiça Federal do DF julgar os processos contra Lula

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para o Pix Cobrança

Pandemia impulsiona transformações no modelo de negócios do varejo

Pesquisa global da PwC revela uma clara aceitação da sustentabilidade

Brasil formaliza redução das emissões de carbono até 2030

País se comprometeu a eliminar o desmatamento no mesmo período

Relacionados