PIB gaúcho cresce 12,9% no terceiro trimestre

Na comparação com o terceiro trimestre de 2019, queda foi de 4,1%

Mesmo sendo um período de menor movimentação nas atividades ligadas ao campo, a agropecuária cresceu 39,8% no período

A economia do Rio Grande do Sul voltou a crescer no terceiro trimestre de 2020, com alta de 12,9% em relação ao trimestre anterior, a maior variação positiva desde o início da série histórica, em 2002, nesse tipo de comparação. O índice é equivalente ao quatro trimestre de 2016, o pior momento da recessão de 2014. “Isso nos mostra que o caminho ainda será longo para que tenhamos uma recuperação mais robusta”, destacou Martinho Lazzari, pesquisador do Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG).

Em relação ao terceiro trimestre de 2019, o resultado do PIB apresentou queda (-4,1%). No período que vai de julho a setembro, o Rio Grande do Sul superou a taxa de crescimento registrada no Brasil, que foi de 7,7% em relação ao segundo trimestre, e ainda diminuiu a diferença quando a referência é igual intervalo do ano anterior, em que a economia do país teve redução de 3,9%. No acumulado de janeiro a setembro, a queda no PIB do RS chega a 8,6%, ante -5% do Brasil.

“Os números do trimestre mostram uma importante recuperação em relação ao período mais crítico da pandemia, que aqui no Rio Grande do Sul coincidiu também com a estiagem. Podemos dizer, no entanto, que é uma recuperação relativa, pois ainda não chegamos ao mesmo patamar em que estávamos ao longo de 2019”, avalia Lazzari.

Na base de comparação do terceiro trimestre com o segundo trimestre, os três segmentos que compõem o cálculo apresentaram altas relevantes. Mesmo sendo um período de menor movimentação nas atividades ligadas ao campo, a agropecuária cresceu 39,8% no trimestre, seguida da alta na indústria (19,7%) e nos serviços (4,2%). Com exceção do setor de Serviços, o Rio Grande do Sul teve desempenho superior ao do país. A principal diferença ocorreu na agropecuária, na qual o país registrou queda de 0,5% no período. Na Indústria, as altas ficaram mais próximas, ainda com vantagem para o Estado (19,7% ante 14,8% do Brasil). Apenas nos Serviços a média do país registrou melhor desempenho (6,3% do país ante 4,2% do RS).

Entre as atividades da Indústria, o maior destaque no período foi para o segmento de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, com alta de 44,1%. O salto foi em razão da base de comparação anterior, pois no segundo trimestre as usinas diminuíram o volume de produção de energia elétrica por causa da estiagem e da parada em diversos setores em razão das normas de distanciamento social.

Últimas Notícias

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Supremo também definiu que cabe à Justiça Federal do DF julgar os processos contra Lula

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para o Pix Cobrança

Pandemia impulsiona transformações no modelo de negócios do varejo

Pesquisa global da PwC revela uma clara aceitação da sustentabilidade

Brasil formaliza redução das emissões de carbono até 2030

País se comprometeu a eliminar o desmatamento no mesmo período

Relacionados